Metamorfose De Uma Aprendiz
-

terça-feira, 23 de março de 2010

Uma Serenata Junto Ao Criador Poeta



Uma Serenata ,Junto Ao Criador, Poeta

Um diamante transformado em valsas celestiais.
Um espelho de cristal do amor,luz que sai mais uma noite.
Com lucidez, a lua  altiva, vem deliberadamente cheia,
contagiando a noite, dos amantes febris imortais.

Uma serenata em chuva, uma festa, explorando mundos.
Cristal cintilante e solene,uma essência rica.
Canta em partitura de raios, para os querubins,
celestiais, dos deuses angelicais, dos céus azuis.
.
A lua refulgente, sente nítida  emoção, das notas.
Numa noite  encantada,manda raios, que se espalham.
Altiva  sente-se formosa,e manda centelhas de brilhos,
para a madrugada, sinuosa e formosa,
canta consolando a noite,e amantes,

A lua canta uma melodia,  de despedida.
Já ao alvorecer,um manto vem esconder aos poucos.
 Formosa  deixa-se encobrir,em nuvens,
e fica sentida, por não poder fica mais.

Abençoada exalta-se, tem vontade livre,
quer ficar mais um instante, até o amanhecer.
Distinta exuberante e cheia ,uma arte lírica,
do criador, rico de sabedoria, um poeta, nato...
Marina Nunes 15/07/02

domingo, 21 de março de 2010

Pacata Fera Ferida


 

Pacata Fera Ferida

Que me importa se você não me ama mais
Foi tudo uma aventura, foi chuva de verão.
Foi uma vertigem, chegou triunfante, foi um milagre!
Inútil a dura realidade,a minha desilusão.
Mais um erro meu, sem perdão estou transtornada.
A terra ruiu em meus pés,estou sem chão.
Descobrir a tempo,estou refeita, de coração forte.

A minha felicidade depende exclusivamente de mim.
O sangue que pulsa dentro do meu coração,
comanda minha mente, ela é o meu reinado.
E nela predomina tudo que sou.
Que garantias, eu teria vivendo sofrendo por nada!
Fica em teu trono, de marfim, no seu império de deus.
Estou decretando minha liberdade!

O meu reino não tem rei, nem patrão.
Sou dona do meu coração, enfim sou como fênix.
Sem vôo certo, eu conquisto o universo.
Sou uma planta daninha, quando quero ser.
Sou uma fada bondosa, com minha varinha de condão;
estraçalho coração de serpente.
Em apenas um sopro, minha história, encerra aqui...
Autora Marina Nunes
direitos reservados á autora.
12 /3/07 00`: 38

sábado, 20 de março de 2010

SEM ATITUDE VIVO

SEM ATITUDE VIVO

Hoje andando pela praia
O sol estava lindo brilhante!
O meu coração triste,falava.
Andei quilômetros, vi pássaros
sobrevoando o mar;
mesclando uma linda paisagem.
Eu, não parei para admirar,seguir.
As pegadas foram ficando,
virando rastros,que o vento apagou.
Na minha memória,nada apaga.
Ah! Diga que é mentira.
Diga que ainda me ama?
Pobres pegadas,fragilizadas;
assim como eu, caminhamos,
juntas,foi a minha companheira.

Autora Marina Nunes
_Direitos reservados_
3/9/08

sexta-feira, 19 de março de 2010

Especuladora

Especuladora


Minhas sensibilidades
invade-me permitindo
fazer tudo que eu quero, imaginar.
Provoca toda emoção.
Permite invadir cada espaço,
do planeta alma coração.
Nele faço uma viagem,
com toda minha emoção.
Flutuo no clima imaginário,
e vou além, das estrelas.
Sensibilidades
Toma-me todo meu tempo
Não tem pena do meu coração.
Obriga-me falar de tudo.
Dos amores felizes,
das separações,o vazio da solidão.
Fala dos dramas,em palcos,
de uma paixões avassaladoras.
Eu saio à procura de perfis,
que tenha historias,e perfídias.
Nessa hora, não sei na real, quem sou.
Serei uma louca, arquiteta da vida;
ou uma especuladora,do amor?.
Autora Marina Nunes
_Direitos reservados_
8/9/2008

quarta-feira, 17 de março de 2010

Alma

Alma
A minha alma transpira
diferentes sentimentos,
angelicais.
É luz do amor.
Alma de dois corações.
Dois corpos ardentes,
cheio de delírio escravidão.
Alma cativa paixão, alma sofrida.
Alma de corpos, perfumes jasmins.
Alma ardente, canção,
de dois grandes, amores.
De estremecer tremer,
e sentir emoção.
Minha linda alma, é pura palpitação.
É flor grandiosa, flor delicada.
Alma! Minha alma,
você é ,minha grande inspiração.
1/2/07 18h07min Marina Nunes.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Lava-me alma


Lava-me alma

De amor
Envolve-me alma.
Minhas lágrimas rolam.
Choro na paz do silêncio .
Reclamo demais alma.
Senta Clara,
reluz minha paz,branda e pacifica.
Alma dolorida chora.
Por doces perfumes,
dos amores,
das Ilusões perdidas.
O canto das lágrimas,
percorrem, minhas ansiedades.
Alma onde anda ele?
Eu não sei dizer, alma!
Paz, vem me diz agora!
Dá uma esperança.
Saudade insana,
desse teu calor.
Alma escuta-me!
Poupe-me um pouco.
Sinto está definhado,
por esse louco amor,
que tortura o peito,
e nunca mais passou.
Paz alma!
Meu lamento é grande.
Alma, eu sofro de amor...
(Aut:Marina Nunes)
direitos reservados a autora